terça-feira, 5 de maio de 2009

Há dias assim...

Desconhecido




Há dias assim. Em que a alma parece morta. Em que nada parece ter importância nem valôr.
Há dias em que as decepções parecem um mundo. O mundo...
Nada tem sabôr. Nada nos faz ter vontade de coisa nenhuma. Nem os dias de sol. Nem um sorriso ou um olhar terno que se receba.
Há dias assim...

Dias em que um refúgio, qualquer refúgio, serve. Em que o Deserto se torna o destino desejado.
Dias em que qualquer palavra, qualquer presença, qualquer gesto de alguém, incomoda. Quase que agride.

Como é que se chega aqui ? Não sei... Apenas sei que um vazio se apodera do sêr. Um vazio que nem o passado consegue preencher.

Quando já se subiu bem alto, bem alto, custa muito sentir que os pés estão assentes no chão. Um chão que não se deseja. Por muito firme que possa sêr.

Há dias assim...

12 comentários:

Catwoman disse...

Força, há dias assim... temos de saber aceitá-los e ultrapassá-los da melhor maneira!!

Beijinhos :)

alma disse...

mas há também dias melhores...e estes ajudam a aliviar dos outros. Esses outros que nos esvaziam a alma já vazia, que nos mostram uma fundo do poço mais fundo do que aquele que já conhecíamos.

Mas, não o passado não ajuda a preencher vazios, o passado só nos impede de viver para a frente de preencher o presente e o futuro.

Melhora com o tempo.

Pearl disse...

Nunca preenchas nada com o passado a não ser a saudade!
Preenche-te com o teu presente, e se ele fôr vazio pois que seja, acredita que não será assim para sempre!

beijos que preenchem!

miúdo disse...

Óiiii Cat :-)

Aceitam-se, claro. Que remédio!

Isto é mesmo assim. São aqueles dias de neura...

Beijinhos :-)

miúdo disse...

Olá Alma...

Não é bem a sensação de um poço ainda mais fundo. É mais uma espécie de desencanto mas também confesso que talvêz seja por sêr exigente com o que quero para a minha vida.

E há passados e passados. Há daqueles que prendem, e há os outros. Aqueles que se guarda com carinho por terem sido muito bons. Só que tem dias em que nem esses parecem pesar. Como se a sua existência fosse irrelevante.

E sim, claro que melhora com o tempo...

Beijinho

miúdo disse...

Olá Pearl...

Não preencho com o passado. Nem com a saudade. A não sêr a saudade de mim nos dias em que a alma foi tão maiôr...

E o presente pode sêr muito cheio. Cheio de muito do que realmente não se quer...

Um beijo grande...

Mimi disse...

Curioso como o sentir de uns nos é tão familiar...o aparelho psíquico é cheio de supresas..quando achamos que o vazio atingiu o auge do seu limite, eis não quando, nos supreende novamente. Porém, diz-se por aí, que nada disso dura para sempre...e racionalemnte assim o percebemos..mas o sentir poucas vezes acompanha a razão...

Cumprimentos ao miudo e diz-se por aí (tb) que melhores dias virão...

M.

miúdo disse...

É coisa de que não duvido, Mimi.

Se calhar acabo por sêr excessivamente positivo mas isso também me permite relativizar com facilidade. Só dou importância ao que realmente o é e merece sêr.

E os dias até estão tão bonitos... :-)

Beijo

Peach disse...

Sim, há dias assim...

dias em que nada parece fazer sentido, em que a tristeza se apodera de nós... tão profundamente, que parece não haver saída para nada.

sim, há dias assim... hoje chove, mas amanhã já faz sol.

Mito disse...

Miudo...como te entendo.

A b r a ç o

STAR disse...

Pois, e quando temos dias assim, o que fazemos?

Anónimo disse...

Não consegui evitar as lágrimas...
De dentro do meu casulo, aquele que criei como defesa, pensei que ninguém me compreendia, que egoísta! Obrigado por me mostrarem que não sou a única e sentir-me incompleta e por de uma forma ou de outra me elucidarem e assim aliviar esta minha alma ferida que se julgava já sem saída